Rotina Mariana Rebello

5 formas de estar presente para uma criança

O dia-a-dia está cada vez mais corrido e muitos pais me dizem que gostariam de ter mais tempo com seus filhos e estar mais presentes para as crianças. Geralmente eles me dizem que trabalham muito, só vêm os filhos à noite, e nessa hora já estão cansados demais para dar atenção às crianças, e às vezes até para ter paciência. Essa é mesmo a dura realidade de muitos pais.

Será que existe alguma coisa que possamos fazer, então, naqueles poucos minutos que sobram entre uma atividade e outra, ou nos momentos de transporte entre uma atividade e outra? Algo para estar mais presente na vida das crianças mesmo com a correria e demonstrar para elas o quanto são importantes, queridas e amadas? Tem sim! E essas são algumas delas:

1. Conte para as pessoas, com orgulho, alguma coisa que a criança faz bem.

Sua criança faz desenhos bonitos? Gosta de cantar? Pintar? Dançar? Jogar futebol? Não importa qual é a paixão da criança, compartilhe-a com o mundo. Todo mundo gosta de ser elogiado e com as crianças não é diferente. Falar para um parente ou amigo como seu filho faz desenhos muito bonitos é uma forma de incentivar a autoimagem positiva com base nas verdadeiras potencialidades da criança.

2. Pergunte como foi o dia da criança e realmente se interesse pela resposta.

Dos pais que buscam a criança na escola, muitos têm o costume de perguntar como foi o dia, ou então perguntar especificamente se a criança entrou em alguma briga ou se foi chamada na sala da orientadora educacional. E caso a resposta seja não, os pais respiram aliviados e começam a pensar em outras das muitas coisas que precisam fazer. Essa estratégia pode acabar fazendo com que a criança se sinta num interrogatória e até que precisa esconder alguma coisa que aconteceu para evitar levar uma bronca.

Em vez disso, você pode perguntar como foi o dia da criança, e ao receber um lacônico sim ou não, continuar com outras perguntas abertas como do que ela brincou hoje, qual foi a aula mais legal ou mais chata, com que amigo ela mais brincou hoje, ou o que de mais legal ela imagina que vai acontecer amanhã na escola.

Ouvir com atenção, fazer perguntas e mostrar interesse genuíno nem sempre nos vêm naturalmente, mas pode ser alcançado tanto fazendo outras perguntas relativas ao que a criança está falando, como contando exemplos da própria vida ou demonstrando empatia com a situação pela qual ela está passando. Demonstrar esse interesse é uma forma incrível de mostrar para seu filho que ele é importante, que você gosta de partilhar da vida dele e que está sempre lá para ajudá-lo com um incentivo, um conselho ou até mesmo o silêncio compartilhado da compreensão mútua.

3. Passe um tempo com a criança e longe do celular.

É verdade que hoje em dia muitas crianças preferem ficar no videogame ou no whatsapp do que conversar e brincar com os pais, porém, guardadas as devidas proporções, também não é isso que nós mesmos fazemos? Sempre respondendo mensagens, e-mails, ligações, e até nos distraindo um pouco com sites e vídeos.

Ficar um tempo intencional e pré-determinado longe do celular e perto do seu filho é uma forma de mostrar para ele, até mesmo dar o exemplo, de que ele é importante e com as pessoas que realmente nos importamos nós passamos um tempo especial e exclusivo, seja fazendo uma sobremesa juntos e conversando, seja jogando um jogo de tabuleiro, seja jogando futebol juntos.

Deixar o celular na gaveta e passar um tempo especial com o seu filho é outra forma de mostrar para ele como ele é importante, além de mostrar que existe uma vida fora do videogame e que vocês podem se divertir juntos. Um dos relatos mais comuns que ouço das crianças é que a mãe “estava mexendo no celular”, ou “só fica lá sentada mexendo no celular”. Uma vez ouvi até mesmo que a mãe “começava a fingir que tinha que fazer alguma coisa no celular”, como pagar contas, para evitar de ter que viver o contato direto com os filhos. Não deixe seu filho ser uma dessas crianças. Passe um tempo exclusivo com ele.

4. Converse de forma amigável durante as refeições.

Se você tem a possibilidade de fazer alguma das refeições do dia com o seu filho, aproveite esse tempo para conversar com ele de forma descontraída, sem cobranças. Pode ser que a lição de casa ainda esteja por fazer e o quarto esteja bagunçado, mas tudo isso pode ser resolvido depois da refeição. Faça do momento da refeição um momento especial, até mesmo sagrado, para você conversar com o seu filho sem estresse.

Muitas famílias aproveitam as refeições que fazem juntos para discutir problemas ou fazer cobranças, e aí muitas vezes fica aquela tensão no ar, todos esperando pra ver quem vai começar uma briga primeiro. E um dos poucos momentos em que você poderia estar presente para o seu filho foi desperdiçado.

As refeições podem se tornar um dos poucos momentos em que as famílias estão reunidas, sem estar brigando por alguma coisa como a hora do banho, a hora de escovar os dentes, ou a hora da lição de casa. Aproveite esse momento de pausa com que a biologia humana te presenteou e converse com seu filho sobre as coisas que aconteceram naquele dia, os passeios que vocês gostariam de fazer, os desenhos, jogos e hobbies favoritos do seu filho. Essa atenção e esse momento de descontração certamente mostrar como ele é importante para você. (Se você às vezes fica sem ideias do que conversar durante as refeições, pode usar a ajuda desses palitinhos de conversa para começar um assunto. => Isso vai ser um link)

5. Diga a criança que a ama e o quanto ela é especial para você.

Para os pais muitas vezes é óbvio que eles amam seus filhos e que fazem tudo para o bem deles, mas as crianças nem sempre veem isso de forma tão clara. Especialmente porque os pais têm o papel de educar e colocar limites, o clima em casa e na família pode acabar ficando pesado se não nos lembrarmos o quanto amamos aquela criança.

E a própria criança pode ficar com a impressão de que ela é que é o problema, e não os seus comportamentos inadequados. A impressão de que os pais só brigam com ela e que ela não faz nada certo, o que só alimenta ressentimento e raiva dos dois lados. Quando estiver num momento tranquilo (e não no meio de uma briga), sempre tire um minuto para dizer a criança o quanto você a ama e o quando ela é especial para você, o quanto você é grato por tê-la em sua vida e como ver as qualidades dela o faz feliz.

Todas as famílias têm brigas e problemas. O que faz algumas crianças serem mais resilientes e passarem pelos períodos de turbulência com menos resultados negativos é a certeza de que tem uma família que se orgulha de quem ela é e a ama incondicionalmente, não importa o que ela faça.

 

Além de mostrar para a criança como ela é importante, fortalecer a relação entre vocês e tornar o dia-a-dia mais leve, essas pequenas mudanças vão ajudar a criança a desenvolver uma boa autoestima e ter um comportamento que te encha de orgulho.

Você já pratica alguma dessas dicas? Como elas têm impactado a felicidade do seu filho e a relação entre vocês?

 


Comentários

Facebook
Este artigo não possui comentários